Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



11. Idade das Trovas

por PM, em 20.04.15

Neste provinciano recanto da Europa a que nos deixámos ir confinando e onde nos habituámos a que as "novidades" apenas chegassem depois de devidamente digeridas e expelidas como "lugares-comuns" para consumo imediato das massas bem formadas, parece com frequência que apenas o regresso às antiguidades pode proporcionar uma salutar "mudança de ares".

 

Com efeito, é o generalizado pavor ao ar fresco que tem estimulado por cá uma abundante distribuição de "latinhas aromáticas de lugares-comuns" para que apenas os moscardos indesejáveis se sintam realmente compelidos a voar para outra coisa qualquer. Entre as "latinhas" de maior aceitação no mercado local, encontra-se a que lança os perfumes de "reles obscurantista medieval" e "retrógrado incorrigível" sobre os suspeitos do menor "revisionismo" capaz de amachucar o susceptível progressismo vigente.

 

É claro que o Iluminado sabe perfeitamente que se trata de um abuso inqualificável perante o fragrante relativismo que se faz sentir lá nas alturas... mas como cá por baixo o ambiente enlatado voltou a tresandar um pouco, lá teremos nós, então, de remexer nos velhos esqueletos do armário...

 

 

Esquecendo a sofisticação que exibe noutras áreas da sua actividade, o actual neo-paleo-positivista ignora, ou finge ignorar, que a "obscura Idade Média" com que deseja intoxicar toda a concorrência é realmente ainda muito mais obscura do que aquilo que ele pensa... Obscura, dizemos, enquanto ideia, claro.

 

Começa, porque soltada assim como "Média", nada mais é do que algo que não se nomeia entalado entre duas outras coisas por nomear também.

 

Notemos, contudo, que embora a confusão seja lançada ao ar para quem a agarrar, toda essa colecção de "não nomeados" está bem identificada para os bem formados que se lembram do respectivo nome próprio, contado e recontado lá na escolinha, quando eram pequenitos: a Antiguidade, a "época dos obscurantistas" e a Modernidade. Assim seguidinho era mais fácil de fixar.

 

Para continuar a caminhada, já começa a ser necessário "puxar mais pela cabeça", pois essa "obscuridade média" actualmente sem nome começou por o ter... e era exactamente o de "Idade das Trevas" — porque quem a baptizou assim estava prestes a zarpar em demanda da Luz dos Antigos Mestres. "Idade das Trevas" designava, por isso, aquele tempo que jazia entre a "Grande Obnubilação" da genialidade greco-romana e o "Renascimento", que se adivinhava com um potente facho, acenando lá ao fundo do túnel.

 

Desafortunadamente, não tardou que esses prospectores de Novos Mundos entrassem em desavença, assim que as Luminárias da Antiguidade lhes começaram a mostrar aquilo que não queriam ver... Mudar o nome à criatura seria, portanto, a melhor forma de agradar a Gregos e a Romanos — além de lhe dilatarem um pouco a longevidade, para acertar com a "revisão dos mil anos". Assim, a "Idade" tanto podia ser "Média" por continuar "entalada" — agora entre uma Antiguidade genuinamente arqueo-lógica e uma Modernidade comprovadamente progressista — como por passar a ser uma espécie de "mediação" — entre qualquer coisa que se perdera e que ressurgiu em conserva, para se voltar a usar um dia...

 

Estava encontrada a receita para agradar a progressistasconservadores. Segundo rezam as crónicas, esta "recauchutagem" teria começado a acontecer por volta do século XIX, e continua a acontecer ainda nos dias que correm. Incluindo por cá — mas o neo-paleo-positivista não tem obrigação de o saber... ou de o dizer... O que vai dar ao mesmo...

 

O importante neste jogo de cadeiras é que sob a conveniente capa de um "conceito vago" se esconde uma realidade complexa e contraditória que abrange desde a ruína de um mundo à sua reconstrução segundo uma ordem metódica.

 

Ora, o mais provável é que este método estivesse a cozinhar um status-quo muito incomodativo para... "determinados sectores"... Veremos...

 

 

Para que fique bem claro, não pretendemos fazer aqui nenhuma apologia ingénua de uma coisa que não existe... Nem propomos a "actualização" do obscuro conceito de "Idade Média" para qualquer diferente fantasmagoria abstractizante... Antes somos apologistas da respectiva explosão naquela nuvem de gás a que unicamente pode corresponder um flato da voz ---

 

--- embora, admitimos, não nos desagradasse sobremaneira substituir a pavorosa ideia da "Idade das Trevas" por outra muito mais sexy... como a de "Idade das Trovas"...

 

 

Trovadores.jpg 

CHOCANTE!
A face escondida da Idade Média:
folia trovadoresca...

 

 

[7, 11]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:26



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D


Pesquisar

  Pesquisar no Blog